Ventos de Anticristianismo no Brasil

10 de março de 2009 § Deixe um comentário

O Programa Domingo Espetacular da Rede Record do dia 08 de março deste ano, Dia Internacional da Mulher, veiculou uma produção jornalística da BBC de Londres, especialmente elaborada para denegrir a imagem da Igreja Católica Romana, associando seus posicionamentos éticos como nocivos à humanidade, principalmente quando a temática é o aborto e o uso de preservativos nas relações sexuais.

Com imagens maliciosamente editadas, a BBC apresenta entrevistas com médicos que praticam o aborto (apresentando-os como agentes humanitários, que salvam a população) e entrevistas com autoridades romanas, associando-as à imagem de uma ridícula obscuridade mental que é responsável pela miséria e atraso dos povos empobrecidos e que obrigam os doutores humanitários a agirem na clandestinidade, sem condições de trabalho, fazendo crer que a assombrosa estatística de óbito feminino por causa do aborto não existiria se este fosse praticado livremente.

O que a BBC não aborda são os lucros financeiros destes médicos humanitários e do mercado de preservativo, todos eles alimentados fartamente pela indústria da prostituição e pedofilia.

Embora a Igreja ortodoxa tenha severas críticas teológicas à Igreja de Roma por não preservar integralmente a tradição apostólica, reconhece-a como formando conosco uma só igreja. Também temos uma cartilha social muito semelhante e, na Europa combatemos ombro a ombro os males sociais, entre eles o ateísmo, o consumismo e a atual ética de mercado, o consumo de drogas, o alcoolismo, a prostituição e o aborto[1].

Há muito que a Europa ocidental está mergulhada numa mentalidade agnóstica, a qual nesta última década tem avançado do discurso antireligioso para algumas atitudes governamentais contra a religião. Chama a atenção o fato deste discursso ser reproduzido no Brasil através da iniciativa de uma rede de televisão de propriedade de um grupo (civilmente de natureza religiosa) e autodenominado Igreja Universal do Reino de Deus.

Trago à memória uma das figuras mais elucidativas do Apocalipse de São João, o Teólogo, que ao predizer o tempo de anticristianismo vê duas figuras desoladoras: uma besta que emerge do mar e outra que emerge da terra.

A que emerge do mar “abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu. E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação” (Ap. 13:6,7).

Mas, o que mais espanta é a besta que emerge da terra a qual “tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão. E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta… E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. E engana os que habitam na terra…” (Ap. 13:11-14).

Nas Santas Escrituras a imagem do Cordeiro é associada a Cristo e a do Dragão a Satanás, que também é simbolizado pela imagem de uma serpente. Estas duas imagens atribuídas ao Demônio são decodificadoras de sua personalidade: violência e sagacidade. No capítulo anterior (12) São João recapitula o infanticídio praticado por Herodes por ocasião do nascimento de Cristo. O vidente de Patmos atribui a inspiração desse ato ao dragão. Na igreja Ortodoxa tal ocasião é relembrada com um dia específico denominado Comemoração dos Santos Inocentes, primeiros mártires da era cristã. Esta Besta, como já dissemos, chama a atenção porque se parece com Cristo, mas tem um discurso demoníaco. Cristo nos alertou veementemente sobre falsos profetas e nos ensinou que a boca fala do que o coração está cheio. O próprio Cristo classifica o diabo como sendo “homicida desde o princípio” e “pai da mentira”, ou seja, fonte de toda violência e de tudo que é pseudo e ilusório (João 8:44).

Preparemo-nos, como as virgens que esperam o noivo, com as suas lâmpadas acesas pelo azeite da fé, da paz e da justiça (na qual se inclui o amor), sabendo que todas estas coisas devem acontecer, e que é na perseverança e paciência que possuímos as nossas almas (Mt. 24:13).

 

 

 

[1] Estamos trabalhando na tradução para o português da Cartilha Social editada pelo Patriarcado de Moscou. Assim, o leitor poderá se conhecer o pensamento e a teologia da Igreja ortodoxa quanto aos temas sociais hodiernos. Em inglês temos a publicação do livro do Patriarca Ecumênico Bartolomeu I Encountering the Mystery (Encontrando o Mistério), onde Sua Santidade aborda os principais temas da sociedade à luz da Fé “Antiga”. Para adquirir este livro clique aqui.

 


A Igreja Ortodoxa e o Aborto

8 de março de 2009 § 2 Comentários

aborto_icone

A excomunhão realizada pelo Arcebispo de Olinda e Recife Dom José Cardoso Sobrinho dos envolvidos no aborto dos fetos gêmeos da menina que engravidara do padastro com apenas 9 anos de idade, vem gerando muita polêmica entre setores da sociedade civil e a doutrina da Igreja Romano Católica.

Muitos têm perguntado sobre o posicionamento da Igreja Ortodoxa sobre o aborto.

Hoje é o Domingo da Ortodoxia (data em que se comemora o triúnfo sobre os iconoclastas), portanto, deixemos que um dos nossos mestres mais antigos, ou seja, os santos ícones respondam à esta questão:

Comecemos por sua parte esquerda, cujas cores de fundo são mais claras (em contraste bastante evidente com a parte direita, com cores escuras representando as trevas, o mal e a morte).

Jesus Cristo, vencedor da morte, surge protegendo e abençoando, abaixo dele, uma família cristã (é de se notar os trajes modernos que vestem). Família, aliás, numerosa (pai, mãe e seis filhos). O pai carrega um dos filhos (como São José, que carrega o Menino Deus, tradicional imagem da iconografia cristã) e traz o alimento da família na mão esquerda. A mãe embala o filho ainda bebê e alimenta uma outra criança. São figuras tradicionais do pai e da mãe cristãos, essencial para o desenvolvimento dos filhos.

Acima da família cristã, surge a Sagrada Família de Nazaré. Maria carrega, em seu colo, o Senhor Deus, nascido de seu puríssimo ventre. São José, por sua vez, carrega uma criança envolta em panos brancos, símbolo, na iconografia tradicional, da alma das crianças inocentes assassinadas.

Abaixo da família cristã, numa imagem bastante contundente, temos a “Arrependida”, isto é, a mãe que, tendo cometido o monstruoso crime do aborto, chora, agora, o filho que ela própria matou. Veste-se de vermelho, o que representa o sangue inocente por ela derramado.

Na parte esquerda inferior, há a figura da mãe solteira. De um lado, ela pecou e consentiu em relações pré-nupciais (talvez, seja por isto que parte de sua vestimenta é vermelha, cor da luxúria), mas, por outro lado, manteve-se firme frente à tentação de abortar e, agora, carrega (não sem o auxílio de Deus) a Cruz de ser mãe sem a ajuda e o suporte de um esposo. Cruz esta que, se bem vivida, será sua porta de entrada para o céu depois que findar sua peregrinação terrestre.

Passemos, agora, às trevas!

Na parte direita do ícone, vemos sentada, num trono vermelho, uma rainha, chamada de “Novo Herodes”. É o próprio aborto personificado, que, como o Herodes o fez outrora, promove a matança dos inocentes no mundo moderno. Ela espezinha e massacra vários bebês e recebe ainda outros (todos em posição fetal) que as mulheres lhe oferecem. Estas mulheres estão à sua frente e personificam (de baixo para cima) a crueldade, a futilidade, a indiferença e a luxúria, sem as quais a monstruosidade do aborto não ocorreria.

Ao fundo, vemos um “médico”. No original, a palavra é também grafada entre aspas, pois, sob a aparência de um médico (que deveria usar seus talentos apenas para salvar vidas), encontra-se um assassino frio, que passa uma espada no ventre de um bebê indefeso. Se o leitor reparar bem, seu bolso está cheio de dinheiro, pois se enriquece com a matança que ele próprio promove. Ao fundo, a imagem de um dragão, a Antiga Serpente, o chamado Diabo ou Satanás, que, sedutor do mundo inteiro, seduz o “médico”, colocando-o ao seu serviço.

Pois, todos os que se colocam a serviço, direto ou indireto, do aborto, estão a serviço direto de Satanás.

Que deles (e de todos nós) o Senhor Deus tenha piedade.

 

Fonte: O texto analítico do ícone foi extraído do sitio “Veritatis Splendor”.

INSTITUTO SÃO SÉRGIO, DE PARIS, PROMOVE SIMPÓSIO TEOLÓGICO SOBRE «OS ANIMAIS NA ECONOMIA DA SALVAÇÃO»

3 de março de 2009 § Deixe um comentário

São Serafim de Sarov

São Serafim de Sarov

Um Simpósio ecumênico sobre o tema «Os Animais na Economia da Salvação» será realizado no próximo dia 21 de março de 2009, das 9:00 às 17:00h., no Instituto Ortodoxo São Sérgio de Paris (França), sob a presidência do professor de teologia dogmática, Sr. Stavrou. O evento tem como objetivo aprofundar teológicamente este tema, frequentemente ignorado, e que tem sua relevância e atualidade numa época de ameaças à sobrevivência do mundo animal. O simpósio reunirá a filósofa Elisabeth de Fontenay professora emérita da Sorbonne, autora de vários livros sobre a condição dos animais; Anne-Marie Reijnen, professora da Faculdade de Teologia Protestante de Bruxelas; Anne-Laetitia Michon, religiosa católica da «Ordem de São João»; Dr. Pietro Chiaranz, médico veterinário, autor de uma tese sobre o papel dos animais na cultura judaico-cristã com a qual está se doutorando no Instituto São Sérgio. O simpósio será concluído com uma mesa redonda presidida pelo Professor Dr. Michel Stavrou, aberta a todos os interessados. A entrada é gratuita e mais informações poderão ser obtidas pelo telefone 06 19 87 34 77. (Paris, França), com Cyril Crom. As inscrições irão até o dia 11 deste mês.

Fonte: Ecclesia

IGREJA DE SÃO NICOLAU, DE BARI (ITÁLIA), É RESTITUÍDA AO PATRIARCADO DE MOSCOU

3 de março de 2009 § 1 comentário

Igreja de São Nicolau

Igreja de São Nicolau

 … Bari, 02 mar (RV) – Realizou-se ontem à tarde, em Bari, na presença dos presidentes da Itália, Giorgio Napolitano, e da Rússia, Dimitri Medvedev, a entrega da igreja de São Nicolau à Rússia. O Patriarcado de Moscou estava representado pelo vice-presidente «ad ínterim» do Departamento para as Relações Eclesiásticas Exteriores do Patriarcado de Moscou, o Bispo Dom Mark de Egorievski, que leu uma mensagem do novo Patriarca de Moscou e de todas as Rússias, Cirillo. Na ocasião, o Cardeal Salvatore Di Giorgio, Arcebispo emérito de Nápoles, também leu a mensagem de Bento XVI, na qual o Papa se rejubila pela entrega do edifício, em Bari, para a devoção dos ortodoxos russos a São Nicolau. O povo russo sempre manteve seu amor por este grande santo, que o sustentou nos momentos de alegria e de dificuldade. A Igreja Ortodoxa Russa de São Nicolau, construída nos inícios do século passado, acolhia os peregrinos, que faziam etapa em Bari, especialmente para a Terra Santa. Trata-se de um lugar de encontro entre Oriente e Ocidente, onde são veneradas as relíquias do santo. Na verdade, afirma o Papa em sua mensagem, «a história de Bari e da sua região é marcada, de modo profundo, pela presença do mundo oriental e a sensibilidade ecumênica constitui uma característica típica das populações italianas da região». Precisamente por isso, o pontífice expressa seus desejos de que a entrega do edifício religioso possa «contribuir para fazer com que a cidade de Bari continue a ser uma ponte natural para o Oriente, colaborando assim para a plena unidade entre os cristãos». O evento deveria ter-se realizado no dia 6 de dezembro de 2008, festa de São Nicolau, mas foi adiado por causa da morte do Patriarca Alexis II. (MT)

Fonte: Ecclesia

Onde estou?

Você está atualmente visualizando os arquivos para março, 2009 em .